Orquídea

Sim. Fui minha própria estrela cadente e para ela pedi meu sonho.

Acordei convicta. A certeza é simples como lavar as mãos.

Se há riacho, a água corre

Para o cais o mar é a ponte

A fonte de onde tudo vem

De onde venho, não é de lá

Com os olhos postos, sou janelas

Enquanto a cidade ácida derrama lavas o vulcão se extingue.

Dei para parar

E me parar não é tão simples

Sim. Sou outra no meu mundo agora.

Cadente, aquela estrela me sonhou.

(tcbbtt)

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s